sábado, 27 de dezembro de 2014

Sócrates: A história e as histórias do jogador mais original do futebol brasileiro




"O calcanhar que a bola pediu a Deus"

Se você seguir padrões, será difícil avaliar Sócrates. Alguém com mais objetividade, não tardaria a mostrar aonde o ex-jogador, ex-médico e "ex-tantas coisas" chegaria. Apontaria que, muitas vezes, Sócrates passou a ser uma imitação de Sócrates, exagerando nas palavras e atitudes, talvez para chamar a atenção. Mas também não estaria querendo chamar a atenção - fora a pobreza de estilo - quem optasse pelo caminho dessa crítica reducionista?

Tom Cardoso, o autor da biografia do conturbado ídolo do Corinthians, tentou não parte nesse julgamento. Mas jornalismo é, antes de tudo, escolha de palavras e ângulos sobre um assunto. E, assim, Cardoso narra a trajetória de Sócrates, desde a insistência do seu pai com que conciliasse a faculdade de medicina com os treinos no Botafogo de Ribeirão Preto até a sua derrota na luta contra o alcoolismo.

Você sabe o final da história, conhece a repercussão trazida pela Democracia Corinthiana nos anos 80 e as Copas do Mundo de 82 e 86, mas reviver os bastidores e saber que tudo vai acabar com Sebastião Lazaroni como técnico da Seleção em 1990 ainda é interessante. E se torna mais próximo ainda ao descobrir que o responsável pela escolha do treinador do fracasso na Itália foi o então vice da CBF, Eurico Miranda. Ele mesmo, que acabou de voltar; provando, então, que a batalha de Sócrates contra o autoritarismo dos dirigentes desde a década de 1980 ainda não terminou. 

Pois Sócrates não largava a sua cerveja, mesmo que isso tenha custado a sua vida e, em muitas vezes, a sua carreira. Mas ele também, em nenhum momento, largou as críticas ao poder, seja cerrando fileiras com o Partido Comunista Italiano quando jogou na Fiorentina, com o PT e contra ele após 2003 e nas intermináveis batalhas por mais direitos para os jogadores.

Sócrates tinha nome de filósofo, era médico, magro e sem fôlego. Totalmente fora dos padrões de um jogador de futebol. Felizmente, também era dono de uma técnica impressionante, junto à tranquilidade e liderança - que também são incomuns em jogadores de futebol.

Por ser diferente, Sócrates se divertiu enquanto pôde à sua maneira. Sorte de quem, como ele, pôde aproveitar.

Título: "Sócrates: A história e as histórias do jogador mais original do futebol brasileiro"
Editora: Objetiva
Autor: Tom Cardoso
Ano: 2014
Páginas: 262 (em papel couchê 115g)

Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário