quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Deixa Ela Entrar




"Feliz daquele que tem um amigo como esse"


Estocolmo, mas poderia ser em qualquer outro lugar. Os anos 1980 estão começando, anunciando uma época melancólica.

Oskar tem problemas, muitos problemas. Está entrando na adolescência, o que, por si só, já é um baita complicador. Ele tem uma mãe que consegue, ao mesmo tempo, tentar ser super-protetora e não estar presente (ela precisa trabalhar, certo?). Oskar não tem amigos, ele tem predadores. É perseguido, na escola, no pátio do condomínio, onde quer que o encontrem, com níveis angustiantes de violência, psicológica e física. Bullying, como o conhecemos nos dias de hoje.

Eli também tem seus problemas. Uma criança pequena e de aspecto frágil, é muito mais velha do que aparenta. Ela depende da ajuda de Håkan, para sobreviver. Håkan a ama incondicionalmente, mas é um pedófilo. Ele não exita em fazer o que for necessário, para proteger seu grande amor - ainda que espere algo, em troca. Para Eli, é arriscado se virar sozinha. Ah, sim, Håkan pensa que ela é um menino. Na verdade, ela não é nem menina, nem menino. Eli é uma vampira, e depende do sangue que Håkan consegue levar pra casa.

A vida destes três personagens solitários começa a mudar, quando Oskar e Eli se conhecem.  Cada ação tem seus reflexos, afetando profundamente os que estão direta ou indiretamente envolvidos. Os vivos lamentam pelos que se foram e fica cada vez mais difícil conseguir o alimento para a vampira. Assim, conforme o cerco se fecha, Oskar e Eli precisam passar a lidar com seus perseguidores - e acabam por se aproximar cada vez mais.

John Ajvide Lindqvist, o autor, conduz a história com grande talento. Alternam-se momentos de singela delicadeza, em que a solidão e melancolia dão lugar a uma confiança inocente, com passagens assustadoras - quando parece que Oskar não vai escapar. Assim como é estranho, torcer para que Håkan consiga alcançar seu objetivo - conseguir sangue para a menina -, ainda que signifique o sacrifício de um inocente. Alguém atacado por Eli deixa de ser apenas mais uma vítima, quando acompanhamos o sofrimento dos amigos que perderam o ente querido.

Deixa Ela Entrar consegue ser denso e aterrorizante, tratando do difícil rito de passagem do crescimento (com todos os dificultadores acima), mas também consegue ser uma história de amizade e amor. Ironicamente, a criatura mais aterrorizante, aqui, não é aquela que vive nas trevas... ainda que sua sede precise ser aplacada. 



"Como é que a gente faz, afinal de contas? Para fazer alguém gostar da gente?" 



Título original: Låt den rätte komma in
Editora: Globo Livros
Autor: John Ajvide Lindqvist
Ano: 2004
Páginas: 501
O livro rendeu duas boas adaptações para o cinema. Vale conferir! 


Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário