sábado, 8 de setembro de 2012

O Redentor




Pessoal,

Apresentando uma resenha encaminhada pelo meu amigo Breno Matos Pinheiro. Quem quiser bater um papo, pode falar com ele no twitter, @breno_vox. Botafoguense, ele é gente boa, mesmo sendo estudante de Direito. Obrigado pela ajuda, Breno! ;)
  
"Não se demora muito para ficar solitário quando se quer usar a própria cabeça para encontrar as respostas". 


Essa é a dica principal em "O Redentor", sequência thriller do bem sucedido escritor norueguês Jo Nesbo. Não necessariamente uma dica para o personagem principal, o detetive Harry Hole, mas basicamente para o leitor que for acompanhar a trama.
Dois crimes se fundem na história, um na Convenção do Exército de Salvação em 1991 e outro no centro de Oslo em 2003. Embora a autoria não seja a mesma, fato reparado pelo lapso de tempo e o modus operandi, não se pode perder de vista que são dois, e não um, os crimes a serem solucionados.
A temática de Natal no enredo do livro explica a frieza do assassino, que passou por provações piores; e a inquietude do inspetor-chefe, um genial investigador com problemas de bebida, que dessa vez se vê isolado e sem um superior a lhe dar cobertura, com a troca de comando na Polícia Criminal.
Nota-se também o paradoxo de uma instituição que vive pelo mundo a pregar a solidariedade, mas que cai nos erros mundanos não como instituição, mas por conta de alguns membros que enchem suas fileiras.
O maior destaque na escrita de Nesbo é soltar detalhes mínimos que passam despercebidos no momento de ação, sendo que aquilo mais enfatizado é a viseira na qual Jo prende o leitor. Não acreditar nem mesmo nas dicas do autor e permanecer isolado, procurando por si mesmo as respostas da intrigante trama, é o meio mais acertado para desvendar as motivações e os crimes.
E por último, mas não menos importante, não se trabalha com o perdão na história. Somente com a redenção.



Editora: Record
Autor: Jo Nesbo
Páginas: 420
Formato: 16 x 23 cm

Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário