terça-feira, 5 de junho de 2012

Matterhorn



Semper Fi

A sensação é realmente de entrar na selva. Karl Marlantes, que serviu no Corpo de Fuzileiros Navais, no Vietnã, consegue construir uma obra extraordinária. Sem concessões, a guerra é mostrada em toda sua crueldade e falta de sentido.

Acompanhando a trajetória do Segundo-tenente Mellas, desde seus primeiros dias na selva, é uma espécie de romance de crescimento, em que podemos acompanhar as transformações pelas quais o personagem passa - em sua personalidade e em seu corpo. Coadjuvantes são apresentados, tornam-se companheiros e até amigos, apenas para terem suas vidas ceifadas brutalmente, numa luta que ninguém sabe dizer exatamente por que está sendo travada.

A tensão é quase palpável, seja nas patrulhas de rotina, em cada incursão, mesmo na base americana estabelecida - em que a Companhia Bravo, de Mellas, deve permanecer de prontidão. A qualquer momento, podem ser obrigados a partir para o meio do inferno, rumo ao resgate de algum esquadrão em perigo iminente. O monte Matterhorn, que dá nome ao romance, é visto em determinados momentos como um ponto estratégico fundamental, em outros é facilmente descartado... apenas para ter sua importância novamente definida, sendo necessária sua tomada das mãos do inimigo. Tudo ao bel prazer de algum oficial vaidoso, ressecado pela guerra. É uma luta de jovens, muitos recém-saídos da escola, a serviço de homens velhos, que estão a serviço de burocratas. Somam-se, ainda, doenças, exaustão, sanguessugas (nos piores lugares possíveis, é fato), problemas psicológicos e seríssimos conflitos raciais, dentro da própria companhia. O caldo ferve, sempre a ponto de entornar. E, acreditem, ele entorna.

Matterhorn consegue despertar emoções, o que considero que todo bom livro deve ser capaz de fazer. Você se pega odiando certos personagens e passagens, tem empatia com outros, cada companheiro tombado tem sua ausência sentida. Não há uma boa perspectiva, não há um final feliz, mas uma saída honrosa. Sem sombra de dúvida, faz jus a todos os elogios destacados na contracapa e dá vontade de reler, assim que acaba.


Completando, há um excelente glossário de armas, termos, gírias e jargões no final do livro (eu comecei por ele), que ajuda ainda mais a "ambientação na selva". Todos os elogios, para o retrato traçado por Karl Marlantes, de uma guerra em que não há nada para se elogiar.


"Semper Fi - Abreviação de Semper Fidelis, que em latim significa "sempre fiel", o lema do Corpo de Fuzileiros. Implica fidelidade ao chamado da pátria, mas, para os fuzileiros, ele representa em primeiro lugar ser sempre fiel ao companheiro"



Título Original: Matterhorn: A Novel of the Vietnam War
Editora: Rai
Autor: Karl Marlantes
Ano: 2010
Páginas: 565

Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário