segunda-feira, 27 de junho de 2011

Televisionários (Baader-Meinhof)



"Descobrimos que palavras são inúteis sem ação"

Até que ponto as pessoas estão dispostas a ir pelo que acreditam? Alguns, não saem do lugar. Outros, são capazes de matar. E existem pessoas capazes de morrer. E entender o que leva uma pessoa a ir tão longe em nome do que for sempre foi objeto de minha curiosidade.

Com isso, comecei a leitura de "Televisionários", uma história do grupo terrorista alemão "Exército Vermelho" que ficou mais conhecido por Baader-Meinhof, nome dos dois mais famosos integrantes.

Apesar do subtítulo, o livro não conta a história do grupo em detalhes. De fato, as 132 páginas são escritas como pequenas passagens contando algumas ações. Quem não tiver algum conhecimento sobre o grupo certamente se perderá nas dezenas de personagens que compõe o livro.

Porém, mesmo assim, como uma espécie de diário, é impossível não ficar surpreso com a ousadia daqueles jovens que, a partir da visita do Xá do Irã a Berlim quando os manifestantes são reprimidos com brutal violência, resolvem formar um grupo para lutar contra o imperialismo e contra o "estado fascista alemão". Assim começa a nascer o “Exército Vermelho".

Há outros personagens importantes na história, como a jornalista Ulrich Meinhof, que gozava de um bom prestígio na Alemanha. Porém, ao entrar em contato com as ideias de Andreas Baader e Gudrun Ensslin, resolve deixar de lado a sua carreira, o seu marido e as duas filhas em nome da revolução.

E, assim, os anos vão passando. Assassinatos, assaltos e sequestros são cometidos em nome do objetivo maior: a derrubada do governo. Com isso, o estado alemão começa a apertar o cerco, ignorando liberdades aqui e ali, sempre em nome da segurança. E a preocupação é tanta que o próprio chefe da Inteligência alemã

Infelizmente, o livro não aprofunda nas relações entre os membros do grupo, como eles chegaram ao ponto de largarem as suas vidas pelo ideal. Entretanto, a partir da cronologia e de como as diferentes gerações do grupo (foram três) agiram, já podemos fazer um retrato de uma época de excessos. Seja lá qual for o lado que você escolher.

E o título é uma ótima sacada com a percepção midiática do grupo. Eles souberam muito bem utilizar a imprensa como propagadora de suas ações.

Autor: Tom Vague
Editora: Conrad
Ano: 2001
Páginas: 142

Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário