sexta-feira, 24 de junho de 2011

Rebelião em Nova York



"Eu lhe digo que vou também, e ele abre a primeira gaveta da escrivaninha, revelando uma fileira de revólveres Colt, novos e reluzentes.
- Você tem uma arma, hein? Não? Pegue uma dessas... eu tenho mais na outra gaveta!
Guardo a arma no bolso, pegando também uma caixa de balas. Acton balança a cabeça com ar pesaroso, enfiando uma pistola num dos seus próprios bolsos.
- Esta cidade tem armas demais!"


Gosto, de vez em quando, de "garimpar" as livrarias, buscando por entre as prateleiras algum achado interessante.
Foi assim que, na seção de História, encontrei perdido este Rebelião em Nova York, de Kevin Baker. Com a guerra civil americana como pano de fundo, Baker narra os três dias dramáticos em que a revolta explodiu e Nova York ardeu em chamas.

A origem dos protestos foi a determinação de alistamento obrigatório, pelo então presidente Lincoln - com a ressalva de que aqueles que pudessem pagar 300 dólares, preço de um substituto, poderiam livrar-se do exército. Grande parte da população pobre (irlandeses, em sua maioria), precisaria trabalhar um ano inteiro para juntar tal soma, o que tornava praticamente impossível evitar o alistamento. Somava-se à revolta o fato de que, em muitos lugares onde a escravidão ainda era vigente, um homem negro poderia ser comprado por mil dólares - daí um dos mais repetidos slogans dos revoltosos: "Vendido por mil dólares, quando um negro vale mil".

Narrada do ponto de vista de diversos personagens, a trama é um verdadeiro relato histórico de uma época (provavelmente por isso, estava na seção de História...), repleta de detalhes preciosos - desde a grande fome, na Irlanda, que levou à imigração para a América, até os campos de batalha da Guerra de Secessão. As histórias de cada personagem, a princípio distantes, tocam-se em diversos momentos dos três dias, e acabam por convergir para um dramático clímax. A sensação de tragédia é sempre presente, em que a maior vitória, diante da turba irracional, enfurecida, é simplesmente sobreviver.

Algumas cenas descritas são brutais - principalmente considerando-se que os fatos ocorreram de verdade. Diante de tanta violência, as forças da lei mostram-se impotentes e, em diversos momentos, vítimas. Atos de coragem, mesmo involuntários, tornam-se façanhas memoráveis - como a cena em que Billy Dove, um dos personagens, encara, sozinho e desarmado, um bando de irlandeses bêbados, ansiosos por torturar até a morte um homem negro - como Billy. Seu objetivo, então, é nobre: afastar o grupo de irlandeses das crianças órfãs, negras, escondidas numa delegacia. A nobreza, porém, não é garantia de sucesso numa época tão triste, em que homens são julgados pela cor de sua pele - ou simplesmente por estar em minoria.


Editora: Record
Autor: Kevin Baker
Ano: 2002
Páginas: 697

Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário