quinta-feira, 30 de junho de 2011

Carrie,a Estranha





Muito antes do bullying ser um dos assuntos mais comentados pela mídia, atraindo a atenção de pais, crianças, psicólogos e terapeutas, a violência era rotina no dia a dia de muitos jovens. Esse é o drama vivido pela protagonista do romance de Stephen King, Carrieta White - ou simplesmente Carrie.

Alvo de gozações na escola, a jovem é atormentada em casa pela mãe, que é fanática religiosa e lhe impõe uma rotina dura de orações e penitência. Quando julga que a filha agiu mal, por exemplo, tranca-a num quarto escuro por horas a fio. E assim ela cresceu, isolada, acuada e infeliz. Mas os episódios de zoações começam a ficar mais sérios. Aí, Carrie precisa arrumar uma forma de se proteger e descobre na telecinesia a melhor forma de ser autossuficiente.

Para além desse conteúdo paranormal, a história começa com depoimentos de vítimas de um grande incêndio ocorrido durante uma festa de formatura. A força policial tenta descobrir o que ocorreu e as causas do acidente. No meio desse quebra cabeça, há as comoventes histórias contadas pelos sobreviventes, bem como suas impressões e sentimentos pela estranha e frágil menina White.

Este foi o primeiro livro publicado de King, sendo uma de suas obras primas mais populares dentro e fora dos Estados Unidos. Isso se dá, talvez, pelo conteúdo trágico e real que carrega - quem nunca foi alvo de brincadeirinhas chatas na escola? Inclusive, rendeu duas adaptações pro cinema. A que eu vi é a mais recente, cuja principal vantagem é ser fiel ao livro, contendo a atmosfera de opressão e mistério que King conseguiu criar.

Título: Carrie, a estranha
Autor: Stephen King
Editora: Objetiva

Número de Páginas:168


Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário