domingo, 10 de abril de 2011

Kick Ass




“Será que salas de aula e escritórios são tão interessantes assim?”

Dave é mais um adolescente que passa pelos corredores da escola. Inexpressivo, de poucos amigos, sem nada que o destaque. É órfão de mãe, mora com o pai, tem um amor platônico e odeia a escola.

Quer dizer: tinha tudo para ser mais um na multidão, um anônimo com vida desinteressante. Certa vez, porém, lendo suas HQ´s começou a se questionar: por quê não existem heróis no mundo real? O que será que desmotiva as pessoas a colocar uma fantasia e sair por aí defendendo os fracos e oprimidos? Será que é preciso mesmo uma picada de aranha radioativa ou ser de outro planeta para ajudar as pessoas? E a pergunta que acho mais genial: “por quê milhares de pessoas querem ser a Paris Hilton e não há nenhuma que tente ser o Homem Aranha?”

Assim, a solidão e o desespero levam o garoto a tomar iniciativa e adquirir uma roupa de banho verde, que usará como uniforme. Vestido assim, treina sozinho nas ruas. Completamente desajeitado e magricela, Dave se envolve num conflito com pichadores. Acaba se machucando e sendo atropelado. No hospital, começa a questionar-se sobre o que estava fazendo e se valia a pena continuar nessa sua aventura doida. Tarde demais, a adrenalina já havia tomado conta dele.

Sua reputação ganha amplitude com os vídeos gravados nos celulares dos espectadores, que são instantaneamente postados no Youtube e exibidos na TV. Paralelamente, conhecemos a história de Hit Girl e Big Daddy, os “verdadeiros” super heróis, que possuem armas mirabolantes e desferem golpes ninjas. E desafiam a máfia.

O destaque da trama é Hit Girl, menininha doce de 10 anos de idade, que adora uma carnificina. Treinada pelo pai, Big Daddy, é uma espécie de Van Damme de saias e bazuka. Buscando reparação por danos causados pelos criminosos no passado, os dois eliminam eficiente e cruelmente seus inimigos.

Na verdade, “Kick Ass”, não é um livro, mas uma graphic novel.Tem cenas muito violentas e cheias de sangue. Sem falar dos palavrões e imagens fortes. Logo, é uma leitura INADEQUADA PARA CERTOS TIPOS DE PÚBLICO. A proposta dos autores não é apenas apresentar uma história com ultraviolence, mas retratar fielmente o dia a dia de muitos jovens, que aparentemente são "ninguém" na sociedade; e que estão desesperados para fazer algo que os destaque. Mesmo que seja uma loucura, como a de Dave. Espere muita ação, risadas, armas e cultura pop.


Nome: Kick Ass

Autores: Mark Millar e John Romita Jr.

Editora:Panini

Páginas:202


Comente usando o seu perfil no Facebook!

Um comentário:

  1. Apesar de não ser uma obra recente tem tudo a vêr, passa um sentimento bem pós massacre de Realengo.

    ResponderExcluir