quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Doutor Morte



A prática da eutanásia – ou o “direito de morrer”, de permitir que se desliguem aparelhos, por exemplo- é um assunto muito polêmico. Há um livro que aborda essa temática sob a forma de uma investigação policial: Doutor Morte.

Eldon Mate é um médico que carrega essa alcunha por aplicar injeções letais em pessoas que se encontram próximas da morte. É como qualquer serviço particular: o enfermo contrata o doutor para executar, em específico, tal procedimento.

A narrativa se desenvolve a partir do assassinato de Eldon, com direito a toques de crueldade. A partir daí, a trama se complica com uma lista enorme de suspeitos, que incluem familiares de pacientes mortos pelo doutor, pessoas contrárias à prática, etc. A eutanásia é o pano de fundo da trama e o ponto positivo do livro é trazer argumentos sólidos, tanto a favor, quanto contra essa prática. É um jeito inteligente de abordar uma questão tão complexa.

Na Constituição Federal de 1989, Lei Máxima que rege nosso país, há um dispositivo que versa sobre a vida. Melhor: sobre o direito de ter essa existência assegurada com toda a dignidade possível. Porém, inexiste em nossas leis o “direito de morrer.”

Em casos de pacientes com doenças terminais, ou que sofrem algum tipo de acidente e por isso acabam ficando em estado vegetativo, abre-se uma difícil possibilidade para seus parentes e amigos: manter ou não aquela pessoa existindo? Várias questões daí se desdobram, perpassando pela religião, convicções pessoais e sentimentos dos mais variados. E se a pessoa deixar algo escrito, revelando que não deseja ser mantida naquela situação? E se os médicos desligarem o aparelho, seria homicídio? Ainda que existam tantos “e se”, não há qualquer amparo jurídico para fundamentar a resposta a algumas dessas perguntas.

O interessante é que, de fato, existe um médico que realiza tal tratamento nos Estados Unidos. Ele também responde pelo apelido de “Doutor Morte.”

Nome: Doutor Morte

Autor: Jonathan Kellerman

Editora: Arx

Páginas: 342


Comente usando o seu perfil no Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário