sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Coração Envenenado: Minha Vida Com os Ramones



Três Ramones, em especial, tinham papéis bem definidos para mim.
Joey era a alma do grupo. Johnny, seu cérebro. Dee Dee, aproveitando a deixa, seu Coração Envenenado.
Se existe algum livro em 3 acordes, é este. Não costumo confiar em autobiografias, não vejo como uma obra destas pode ser honesta e fugir da parcialidade, mas Dee Dee nunca foi de meias-palavras... Sem fazer concessões, um dos maiores poetas do punk rock (de uma época em que o estilo merecia o nome) vai de sua infância, numa Berlim pós-guerra, até o final melancólico, em que tenta sobreviver à sua própria inconstância.
Em momentos impagáveis, sua mãe é descrita como "...uma bêbada louca, dada a explosões emocionais. Ela saía rodopiando pelo apartamento, dando socos no ar ou caindo e batendo os punhos no chão para que todo mundo soubesse que era durona e que ninguém podia sacanear com ela". Em outra parte, a mesma mãe é citada de forma singela, como quem o apresentou ao rock 'n'roll.
Dee Dee aborda, com extrema naturalidade, episódios como seu primeiro encontro com a violência - em que enfrenta, armado com um canivete, uma briga de escola - e seus problemas com drogas. O tempo de estrada com os Ramones, a inspiração para as letras, a Nova York do nascimento da cena punk, os amores viscerais, a estafa física e mental, nada escapa, em seu inconfundível estilo. Deveriam gritar 1-2-3-4 antes de começar a leitura.
Suas letras já eram sua autobiografia. Em Coração Envenenado apenas conhecemos os detalhes.


"Todos nós saímos feridos de nossas relações uns com os outros" -- Dee Dee Ramone

Editora: Barracuda
Autor: Dee Dee Ramone & Veronica Kofman
Ano: 2004
Páginas: 196

Comente usando o seu perfil no Facebook!

2 comentários: